image8

@SavageFiction

O Cronista dos Negros no Twitter

Participações especiais

Memórias Póstumas de Brás Cubas

image9

A edição da Antofágica conta com 88 ilustrações de um dos expoentes da arte no Brasil, Candido Portinari, que chegam pela primeira vez ao grande público e dão uma nova camada de interpretação ao clássico.

O livro traz ainda com notas inéditas e posfácio de Rogério Fernandes dos Santos, especialista na obra machadiana, um perfil do autor escrito por Ale Santos (@savagefiction), além de uma introdução de Isabela Lubrano, do canal Ler Antes de Morrer.

Na Quebrada, Quadrinhos de Hip Hop

image10

Coletânea reúne oito HQs sobre a cultura que faz a cabeça de rappers do mundo todo. As histórias fazem um retrato do movimento e da vida de quem vive na periferia, dentre elas há um MC iniciante que descobre ter o dom da rima, um rapaz que vê a morte de todos em que toca, uma pick-up com propriedades especiais, uma b-girl com próteses cibernéticas, um rapper envolvido com uma seita cultista, uma guerra entre pixadores e muito mais.
Introdução por Ale Santos

Publicações

Antologia Cautions Dreams Curiosities

image11

Uma antologia Internacional de SCIFI com contribuições de cientistas mundialmente famosos e estudantes de vários países. Ale Santos representou o Brasil com o conto "A Cor de Seus Olhos" ao lado de  autores best-sellers do New York Time

Coletânea Todo Mundo Tem uma Primeira Vez

image12

Cangoma é um conto Afrofuturista inspirado em uma música, homônima, de Clementina de Jesus e ambientado em um distrito ficional que carrega a narrativa com elementos afro-brasileiros, hip-hop e tecnologia

Rastros de Resistência

image13

Um olhar de esperança em um mundo que insiste em silenciar a visão afrocentrada da historiografia mundial. Uma obra nascida no coração de todos que compartilharam e se comoveram com Ota Benga, Benedito Meia-légua, Dragão do mar, Inácio e tantos outros. 

Onde Escrevo

image14
image15
image16
image17

Entrevistas

Folha | Escritor recupera passagens esquecidas da história negra em rede social

Em junho de 2018, o publicitário Ale Santos, 32, resolveu Twitter a história de Leopoldo 2º (1835-1909), rei da Bélgica, que patrocinou um genocídio com número estimado entre 8 e 10 milhões de pessoas no Congo, na virada do século 19 para o 20.

Leia na Folha de SP

Los Observadores | Denuncian trato discriminatorio de policías a población afrodescendiente en Brasil

 

Segundo o escritor e ativista brasileira Ale Santos, os afrodescendentes são tratados de maneira discriminatória pela polícia daquele país.

"A característica da sociedade brasileira é negar que o racismo existe e pensar que todos são tratados com harmonia. 

Leia em Los Observadores

Entrevista para o Buzzfeed

 Especialista em storytelling e autor de ficção, nos últimos dois meses  Ale deixou de lado a fantasia para mergulhar na história real do povo  negro no Twitter. O sucesso das narrativas já garantiu mais de 20 mil  seguidores e três trabalhos profissionais para o publicitário: artigos  para o site Muito Interessante e para o Intercept Brasil e o roteiro de  uma peça de teatro com temática negra 

Ler no Buzzfeed

Mas Será o Benedito? - Revista Piauí

 A linguagem do Twitter contribuiu para  que Santos se tornasse um personagem influente da militância  antirracista no Brasil. Ele foi convidado para parcerias com o rapper  Edi Rock, do grupo Racionais MC’s, ; tornou-se colunista do  portal Vice Brasil, colaborador da revista Superinteressante e do portal The Intercept Brasil

Ler na Revista Piauí

Estadão | Uma conversa com o escritor que está usando o Twitter para difundir conhecimento histórico e combater o racismo

 Quando comecei a trabalhar com storytelling, entendi que tudo  que a gente estuda é totalmente eurocêntrico, reproduz a visão do  colonizador sobre a história. Eu precisava de visões diferentes. 

Ler no Estadão

Participação no Documentário Negritudes Brasileiras

 O documentário visual "Negritudes Brasileiras", idealizado por  Nátaly Neri , nasce não só como uma  forma de dar continuidade ao debate racial brasileiro localizando-o no  tempo presente com a ascensão de novos conceitos como representatividade  e a crescente popularização da internet, mas também surge da demanda de  muitos seguidores do Afros e Afins que durante três anos de existência  do canal perguntaram identificação racial. 

Entrevista para o Conexão do Canal Futura

Maria Firmina dos Reis, Benedito Meia Légua e Chico da  Matilde, estes são negros que construíram o Brasil, mas que a sociedade  brasileira pouco conhece. Nesta edição, o Conexão resgata a memória  dessas pessoas. Venha conhece-los também!  Apresentação:  Karen de Souza 

Entre em Contato

Este site é protegido por reCAPTCHA e a Política de privacidade e os Termos de Serviço do Google são aplicáveis.

Ale Santos @savagefiction